domingo, 4 de setembro de 2016

O maior tesouro


Numa aula de Educação para a Cidadania, pensei ler Os 7 maiores tesouros, um livro que fala disso mesmo: quais são os nossos tesouros?

Antes de ler o livro, na aula, dei um papelinho a cada aluno com a pergunta:

- Qual é o teu maior tesouro?

Cada aluno respondeu por escrito, sem saber o que os colegas diriam e desconhecendo o que eu pretendia.

...é um carro da polícia
...é a minha família
...é uma bola
...uma bola de futebol
...é a Violetta
...é a escola
...é a minha família
...é a dança
...é o meu diário
...é o amor
...é um conjunto de coisas da Violetta: uma moldura, o livro da Violetta, uma revista e o livro Simplesmente Tini.
...é o meu avô ( que já faleceu)
...é ter dinheiro
...é a minha mana
...é dinheiro
...são os amigos
...são os amigos
...é o meu coração
...são os meus amigos

                                                                                
 
 
 
 
QUAL É O TEU MAIOR TESOURO?
 
 

37 comentários:

  1. Se eu voltasse muito atrás, à infância, diria que, para além de algum amor de ocasião, seriam os livros.
    Mas confesso, honestamente, que tenho dificuldade, hoje, em classificar hierarquicamente o valor que dava à família e aos amigos. Mesmo que o facto possa parecer politicamente incorrecto - que é uma coisa que me preocupa muito pouco...
    Bom resto de tarde!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não sei o que diria. Sei de certeza que a escola não era, uma vez que não guardo boas recordações da Escola Primária. A família e os amigos, também eram um facto adquirido, estavam sempre lá, nunca faltavam, por isso se calhar também não me ocorreria...não sei.
      Talvez também não escolhesse os livros...

      Sei que, das melhores recordações da infância, me lembro sempre inevitavelmente as enormes tardes de brincadeira, no Verão, no quintal da minha casa e as férias de Verão na aldeia da minha mãe, os banhos diários na ribeira de água cristalina, as brincadeiras o dia todo, os bolinhos que se faziam no forno de lenha da aldeia...enfim, talvez sem ter consciência disso, o meu maior tesouro da infância - descobri agora - fosse, numa palavra: a liberdade do Verão!

      Estive a apagar alguns post que estavam em rascunho e por um ou outro motivo, não publiquei. E achei piada a este. Embora se calhar algumas respostas pareçam forçadas, não são. Foram mesmo dadas pelos alunos. Às vezes surpreendo-me com o que eles dizem (pela positiva, umas vezes, e outras pela negativa).

      Continuação de um bom domingo também para o APS:)

      Eliminar
    2. A liberdade e a aventura do Verão! - lembrou muito bem, Isabel.
      Retribuo os seus votos.

      Eliminar
    3. Pois é, nessa idade acho que eram os livros....
      E hoje também. Deixando de parte o mais óbvio: família, amigos, filhos. O que nunca apreciei demasiado foram os bens materiais. Talvez, aceito, por não ter tido grandes necessidades, mas a verdade é que os dispenso sem me preocupar...beijinhos

      Eliminar
    4. As tuas recordações das tardes de Verão comoveram-me. Sim, era assim... E os comentários dos teus alunos são bem interessantes...

      Eliminar
    5. Muito obrigada pelos seus comentários Maria João:)

      Família, amigos, saúde, paz...são mesmo o mais importante!

      Hoje em dia, materialmente falando, os livros são talvez o meu maior tesouro!

      Um beijinho grande:)

      Eliminar
  2. Interessante! [Quase] um poema a muitas mãos.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  3. O que responderia eu nesse tempo? Não faço ideia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se me fizessem a pergunta naquela altura, também não sei que responderia...

      Boa noite, Bea:)

      Eliminar
  4. Que maravilha Isabel!
    Acho que vou aproveitar este "tesouro" para as minhas aulas de apoio!
    O meu maior tesouro? Sem qualquer dúvida as minhas duas filhas gémeas!
    beijinhos :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que foi útil!

      Esse é um tesouro duplamente precioso! Parabéns !

      Beijinhos:)

      Eliminar
  5. Se voltasse atrás até aos 7/8 anos, eram os livros de certeza absoluta, o ir buscar um volume do Cavaleiro Andante à casinha que o meu pai tinha no quintal e ler o Tarzan, ou ler um livro da colecção Manecas da minha irmã! Hoje o meu tesouro é outro! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, os nossos "tesouros" vão mudando com os acontecimentos da vida:)

      Continuação de boa semana :)

      Eliminar
  6. Que bom, Isabel!
    19 meninos a crescer para serem gente, a porfiar por um tesouro.
    Tesouro, ouro?, coisa inalcançável… A não ser que se nasça com umas pernas altas, muito altas, para procurá-lo em sítios improváveis. Por exemplo, nas nuvens, que correm de norte para sul.
    Onde há mais gente anatomicamente dotada para a caça ao tesouro é em Lisboa. Onde é que estão os manda chuva? É por isso que tanta gente quer viver lá: para ser rica. Na Capital chovem tesouros a além do Tejo quase nada.
    Para acabar tenho a declarar que pernas de pau não valem; não se ponham a fazê-las com o propósito de alcançar um tesouro: eu fi-las em pequeno mas não me serviram de nada.

    Felicidades para os meninos mai'la professora.
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fez-me rir, com o seu comentário ao mesmo tempo engraçado, mas também tão sério!
      Se calhar muitos de nós andamos à procura dos tesouros errados. E vamos desperdiçando o Tempo!

      Muito obrigada:)
      Continuação de boa semana, Agostinho:)

      Eliminar
  7. Que maravilha de respostas! Acho que é a família e os amigos. Insubstituíveis! Bom dia! (gostava de ler esse livro, a ver se compro para a minha filha)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um livrinho pequeno, com poucas páginas, mas é engraçado e permite uma introdução ao tema.
      Creio que o comprei no site Wook.

      Boa noite, Margarida:)

      Eliminar
  8. O meu maior tesouro vive ao meu lado tranquilamente:)
    Boa Tarde

    ResponderEliminar
  9. Tem piada, a pergunta e as respostas. Eu quando penso no que é a felicidade, penso na minha infância, era feliz em estado puro, o que só pode acontecer quando ainda não se sabe nada da vida. Não sei o que teria respondido...
    Já acabaram as férias? Afinal foste a Lisboa? Beijinho grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Maria. Quando começamos a afastar-nos da infância, começamos a ter a noção de a vida não é assim tão cor-de-rosa.

      Ainda não fui a Lisboa e não sei quando irei. Já comecei a trabalhar, no dia 1, mas ainda não com alunos.

      Beijinhos e bom finde:)

      Eliminar
  10. Enternecedor, Isabel...
    Idades lindas...
    Beijinho.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)
      Beijinhos e um bom fim-de-semana, Majo:)

      Eliminar
  11. Não sabia que havia uma 'cadeira' de «Educação para a Cidadania». Congratulo-me com isso.
    Acho que a resposta depende da idade. A minha é: Saúde e a Família (propriamente dita e amigos chegados).
    Vou procurar este livro.
    Boa tarde!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode acontecer que nem todos os agrupamentos tenham (creio eu).
      No meu agrupamento, no próximo ano lectivo, os 1º e 2º anos de escolaridade, vão ter a disciplina, como oferta complementar, de escola. Os 3º e 4º anos vão ter com AEC. Em ambos os casos dada pelo professor titular de turma e uma hora por semana.

      Nesta altura da vida, creio que também escolhia esses tesouros.

      Encontra o livro no Wook. Foi onde o comprei.

      Bom fim-de-semana, MR:)

      Eliminar
  12. O meu maior tesouro - aquele por que, hoje em dia, vale a pena enfrentar os relógios e os calendários - guardo-o num canto quase esconso da memória.

    Pedaços de um tempo que ficou algures entre a infância e a adolescência. Quando, ocasionalmente, me proponho voltar a eles, reparo sempre na inevitável presença de minha mãe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pareceu-me que fala com saudade...uma saudade boa.

      É bom ter boas memórias. Querem dizer felicidade.

      Obrigada pelo seu comentário. Fui ver se tinha um blogue, mas não encontrei. Parece-me que não tem...

      Boa noite:)

      Eliminar
    2. «É bom ter boas memórias. Querem dizer felicidade.»

      ...

      Não tenho a certeza de que as memórias sejam uma espécie de sinónimo de felicidade. Nem sei, de resto, se a felicidade será assim tão determinante.

      "Isto", de toda a maneira, nem era para ser um comentário. Apenas uma informação. A verdade é que tenho mesmo um blogue. Se quiser passar por lá, aqui fica o endereço:

      http://retratosapretoecinza.blogspot.pt

      Sinta-se em casa!...

      Eliminar
    3. Obrigada, já lá vou espreitar.

      Continuação de boa semana:)

      Eliminar
  13. A minha família, sem dúvida. :)

    Bom fim de semana, Isabel. :) Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim:)

      Continuação de boa semana:)
      Beijinhos:)

      Eliminar
  14. Ter saúde... sem ela... não somos nada... nem para nós, nem para os outros...
    E desde que a tenhamos... nunca nos lembramos dela... é curioso!
    Beijinhos!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma escolha...importante!

      Beijinhos e continuação de boa semana, Ana:)

      Eliminar
  15. As respostas das crianças são por vezes surpreendentes e alguma até me emocionaram.
    Eu naquela idade, diria decerto que era a minha mãe, hoje são os meus filhos.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São belas escolhas, Fê:) A família é um Grande Tesouro:)

      Um beijinho e uma boa semana:)

      Eliminar