sábado, 6 de fevereiro de 2016

O Mar sem poesia


Búzio do Mar

Praguejam pescadores: Ora esta, Ora esta;
O mar na praia é um tambor em festa!

Danado e rouco ele há lá quem o fateixe!
O mar não anda bom...
E som, e som, som-som,
Deita a fugir o peixe.

Meus patrícios, poveiros tal e qual
É a nobreza maior de Portugal!

Mesmo sou duma aldeia à beira-mar,
E ouço-o bem duas léguas em redol:
Meio ano a lavoirar,
Outro meio ao anzol!

Maus patrícios cada qual
Tem o seu bote que é o seu casal.

Mas o oceano, o mar, não anda bom:
Ondas são trambulhões, e trambulhões de som!

Ó mar, meu brutamontes,
Música, deixa ouvi-la da noitinha;
Eu quero ouvir o murmurar das fontes
Que a noite já se avizinha...

Afonso Duarte
Obras Completas, 1-Obra Poética, pág.39
Plátano Editora


                                                                              
 
 

20 comentários:

  1. Para emparceirar com Afonso Duarte, aqui vai Eugénio:

    Passo e amo e ardo.
    Água? Brisa? Luz?
    Não sei. E tenho pressa:
    Levo comigo uma criança
    que nunca viu o mar.

    (de "Mar de Setembro")

    Um bom Domingo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É lindo. Obrigada:)

      Desejo-lhe uma boa semana:)

      Eliminar
  2. Como descobriste este Poeta das margens do Mondego, Isabel ?
    Gostei muito do MAR SEM POESIA !

    Um beijo e obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não fui eu que o descobri, deram-mo a conhecer.

      Ainda bem que gostou.

      Um beijinho e bom Carnaval:)

      Eliminar
  3. Tão verdadeira essa água acicatada, possuída de fúria e torvelinho.Mas a poesia não é só mansidão e canto grato. E a beleza terrível faz parte. A prová-lo, aí está o poema.
    Bom Dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bem verdade, Bea. Nem sempre a beleza é feita só de calmaria.

      Uma boa semana para si e bom Carnaval:)

      Eliminar
  4. Tenho saudades do mar. Talvez o vá visitar.
    Beijinhos e bom Domingo.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também! Gostava de o ter tão perto como tu.
      Assim, só o vejo de vez em quando...
      Aproveita:)

      Um beijinho:)

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Bem gostava de perceber o que me diz...espero que seja algo simpático...

      Boa semana:)

      Eliminar
  6. Isabel, mesmo bravo, o mar é bonito!
    E musical...
    Que bom que trouxe até aqui Afonso Duarte!
    Um beijinho.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é! É sempre tão bonito! Já me repito, mas quem me dera ter o mar por perto!

      Ainda bem que gostou. Foi o nosso querido amigo Manuel que mo deu a conhecer.

      Um beijinho tenha uma boa semana:)

      Eliminar
  7. Poesia original, o que sempre se agradece.
    Feliz semana, um beijo grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico contente que tenhas gostado, Maria:)

      Um beijinho e uma boa semana:)

      Eliminar
  8. Tão bonito, Isabel! Um grande poeta sem dúvida. Beijinhos para o Carnaval... Amanhã falamos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sim, um grande poeta!
      Não me canso de agradecer à Maria João e ao Manuel tantos bons autores que me deram a conhecer. Obrigada:)

      Andamos desencontradas :(

      Um beijinho:)

      Eliminar
  9. Obrigada pela partilha, gostei muito do poema.
    É uma foto ou uma aguarela?Linda!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma foto, cortada pela metade no sentido da horizontal. Mas é engraçado pensar nela como uma aguarela...poderia ser, na verdade.

      Obrigada.
      Um beijinho e continuação de bom Carnaval:)

      Eliminar
  10. Desconhecia o poema, e adorei a imagem!
    Uma enriquecedora partilha, Isabel!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Ana. Fico contente que tenha gostado:)
      Um beijinho:)

      Eliminar