quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Sim, Sei Bem

Sim, sei bem
Que nunca serei alguém.
            Sei de sobra
Que nunca terei uma obra.
            Sei, enfim,
Que nunca saberei de mim.
            Sim, mas agora,
Enquanto dura esta hora,
            Este luar, estes ramos,
Esta paz em que estamos,
            Deixem-me me crer
O que nunca poderei ser.


Fernando Pessoa



Modelo Reclinado, Henri Matisse, 1919


                                                                              

15 comentários:

  1. Isabel,
    É o meu poeta maior, este poema hoje caiu muito bem.
    Adoro-o.
    O desenho de Matisse é lindo!
    Bjs. :)

    ResponderEliminar
  2. Como ele tinha a certeza do engano !

    Pessoa e Matisse. Não me lembro de tal associação...mas vai muito bem !

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Tão triste Isabel, melancólico talvez. Que essa hora dure mais que apenas uma hora. Os sonhos impossíveis e as tristezas prementes.
    Se chegarem, hão de passar como um verso.

    bjs grandes das 5

    ResponderEliminar
  4. Olá Ana
    Também gosto muito de Fernando Pessoa.
    Espero então que o poema te tenha feito bem.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. Boa noite João
    obrigada por ter gostado da associação.
    Ao poema juntou-se naturalmente o desenho que para mim transmitem o mesmo.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  6. Boa noite amigas
    é um bocado triste na verdade, mas muito bonito.
    Era bom que essa hora durasse para sempre; a realidade não deixa.
    Mas os sonhos impossíveis continuaremos a sonhá-los, não é?
    5 beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Vim agradecer o carinho no blog do João. Fiqeui muito feliz em receber o selo.
    Venha na curiosa e veja que lindo ficou o premio recebido.
    http://sandraandrade8.blogspot.com/

    Amei.
    Sandra

    ResponderEliminar
  8. Fernando Pessoa é maravilhoso!!!
    Lindo poema.
    Sandra

    ResponderEliminar
  9. Olá Sandra
    obrigada pela visita.
    O selo do blogue do João...bem merecido.
    Vou espreitar o seu blogue sim.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. Tão triste, como dizem as vurdóns, e tão absurdo: está escrito por um génio, que tinha que saber "que sempre teria uma obra", ao contrário do que escreve.
    No entanto nós, a maioria dos simples mortais, não temos porquê viver acabrunhados pelo facto de não ter essa obra, o importante é que tenhamos outras,à medida das nossas possibilidades, e que "essa hora, esses ramos, esse luar" durem toda a vida, a ser possível...
    Beijinhos, um finde cheio de esperanças

    ResponderEliminar
  11. Olá Maria
    tu vês sempre as coisas duma maneira bem interessante...e optimista.
    Ele tinha obra, uma grande obra, ao contrário do que escreve, mas como ele mesmo diz" O poeta é um fingidor, finge tão completamente, que chega a fingir que é dor, a dor que deveras sente."

    Mas é muito reconfortante a tua forma de ver que "não temos porquê viver acabrunhados pelo facto de não ter essa obra..."
    Gosto sempre de falar contigo.
    Bom finde cheio de alegrias
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  12. E diz mais:" És feliz porque és assim,/ todo o nada que és é teu./Eu tenho-me e estou sem mim,/ pertenço-me, e não sou eu"(Gato que bricas na rua).
    Pessoa era um grande neurótico, mas se nem sequer vamos passar à história, mais nos vale ser normaizinhas...
    Uma grande beijoca, eu também gosto muito de falar contigo, como vês quase todos os dias.

    ResponderEliminar
  13. Não conhecia estes versos. São bonitos.

    És engraçada Maria, como sempre. Pois vale mais ser normaizinhas, já que não temos génio para passar à história...

    (e habituei-me à tua presença quase diária )

    Um beijinho grande

    ResponderEliminar
  14. Até contrariados com o seu pessimismo, temos de o admirar mesmo!
    Diz tanto e tanto e tanto!

    "Porque eu amo infinitamente o finito,
    Porque eu desejo impossivelmente
    [o possível,
    Porque quero tudo, ou um pouco mais,
    [se puder ser,
    Ou até se não puder ser..."
    reste-nos "ser" -já que génios não somos!
    beijinhos
    Beijos

    ResponderEliminar
  15. Lindo.
    Diz tanto...
    Pois é Maria João...resta-nos "ser" e apreciar o génio, "já que génios não somos", não é?

    Um beijinho grande

    ResponderEliminar