sexta-feira, 27 de setembro de 2013

À espera que me digas...


À espera que me digas como ornar-te
com palavras singelas, folha branca,
vou olhando pessoas a passar
apressadas - será longe a distância

do seu destino. Aqui, ao lado, as árvores
cheias de verde e sol julgo que cantam
de alegria por verem que nos bancos
debaixo delas vibram namorados.

E um céu azul, de pássaros orquestra
com seus trinados vários que enlouquecem
de prazer os ouvidos de quem vê,

e tal como eu que à espera continuo
nesta manhã tão límpida que tu
me digas, folha branca, que fazer.


António Salvado, Sonetos do Interregno, pág.18
Fólio Exemplar

                                                                              

12 comentários:

  1. Respostas
    1. Então está bem...

      Um bom fim-de-semana! :)

      Eliminar
  2. "aqui ao lado as árvores"... vidas suspensas!

    Belíssimo.

    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É essa a sensação: vidas suspensas!

      O livro tem poemas muito belos!
      Tenho já um outro, num post, para colocar. Gosto muito da poesia de António Salvado.

      Um beijo e bom fim-de-semana!

      Eliminar
  3. Cada vez mais os dias são uma incógnita...
    A vida é uma incógnita...

    Poema muito, muito bonito e repleto de significado.

    Beijinhos.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico muito contente que tenha gostado, Cláudia.

      A vida é mesmo uma incógnita, se assim não fosse também perderia a graça, não era?

      Um beijinho e um bom fim-de-semana! (Chuvoso, por aqui!)

      Eliminar
  4. Sempre uma boa escolha! Que lindo o verso da folha branca:
    "(...)à espera continuo
    nesta manhã tão límpida que tu
    me digas, folha branca, que fazer."
    Tu, minha folhinha branca, vai já para a cama!
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Maria João, fico feliz que tenha gostado. Eu gosto muito da poesia de António Salvado.

      Achei-lhe graça! Mas por acaso deitei-me cedo, vinha cansada, da escola. Nestes dias de chuva, ninguém segura a miudagem!

      Um beijinho grande cheio de saudades! :)

      Eliminar
  5. Muito bonito este poema de António Salvado. Gostei muito do último verso... "que tu me digas, folha branca, que fazer".
    Um beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É muito bonito, sim, Maria Eduardo.´
      António Salvado é um grande poeta albicastrense.

      Um beijinho e bom fim-de-semana, de chuva!

      Eliminar
  6. Tb gosto da poesia de António Salvado.E gostei das duas escolhas que fez.
    Resto de bom domingo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por gostar das escolhas, MR. Fico contente.
      Uma boa semana para si!

      Eliminar